Anarquistas de Chicago

Um dia como hoje, de 1887, foram assassinados os anarquistas de Chicago pelas mãos da autoridade americana, pelo facto de ter paralisado a indústria levantando em greve a milhares de trabalhadores no dia 1 de maio de 1886.

Anarquistas de Chicago

Anarquistas de Chicago

O pretexto que o governo americano usou para prender-los e executá-los foi o “incidente de haymarket, Chicago”, que teve lugar no quarto dia da greve quando um operário anónimo atirou uma bomba contra a polícia que abafar os manifestantes. O que motivou este trabalhador desconhecido a atentar contra os agentes foi o massacre que a mesma polícia cometeu dias antes contra a multidão desarmada.

Graças a estes oito anarquistas a cada 1º de maio comemora-se o dia do proletário mundial, devido aos protestos que realizaram se o dia de trabalho de 12 horas a 8, e por eles que na sua qualidade de imigrantes conseguiram Unir os trabalhadores, hoje o povo conhece os frutos da organização sem chefes e procura – a 130 anos de distância – a reivindicação total dos seus direitos.

Palavras de George Engel proferidas no dia do seu assassinato, em 11 de novembro de 1887:

” e por que razão estou aqui? Por que razão me acusam de assassino? Pela mesma razão que tive de abandonar a Alemanha, pela pobreza, pela miséria da classe trabalhadora. Aqui também, nesta ‘livre República’, no país mais rico do mundo, há muitos trabalhadores que não têm lugar no banquete da vida e que como párias sociais arrastam uma vida miserável. Aqui já vi seres humanos à procura de algo com que se alimentar nos montes de lixo das ruas.

Em que consiste o meu crime? Em que trabalhei para o estabelecimento de um sistema social em que seja impossível o facto de que, enquanto uns milhões utilizando as máquinas, outros caem na degradação e na miséria. Assim como a água e o ar são livres para todos, assim a terra e as invenções dos homens de ciência devem ser usadas em benefício de todos. As suas leis estão em oposição às da natureza, e através delas roubam as massas o direito à vida, à liberdade e ao bem-estar… se cada trabalhador levasse uma bomba no bolso, em breve seria derrubado o sistema capitalista prevalecente .

Eu não combato individualmente os capitalistas; combato o sistema que dá o privilégio. O meu mais ardente desejo é que os trabalhadores saibam quem são os seus inimigos e quem são os seus amigos. Tudo o resto eu o desprezo; desprezo o poder de um governo iníquo, seus policiais e seus espiões.

Este é o momento mais feliz da minha vida
Viva a anarquia!”

Ⓐnarquize-se

Leave A Reply

%d blogueiros gostam disto: