Category Archives: Informatica

Nasa trabalha em “Waze” para ser usado em Marte

Se você tiver um celular e acesso à internet, é praticamente impossível se perder em boa parte do planeta Terra atualmente. Luxo há alguns anos, a navegação GPS se popularizou de tal maneira que ferramentas de mapas, como Google Maps e Waze, se tornaram essenciais no cotidiano de boa parte das pessoas.

Nasa trabalha em "Waze" para ser usado em Marte.

Nasa trabalha em “Waze” para ser usado em Marte.

Mas e se elas quiserem se localizar fora do nosso planeta? Como saber qual o caminho correto para ir da cratera “A” até a cratera “B” na Lua, por exemplo?

Para resolver esse “problema”, a Nasa, em parceria com a Intel, trabalha na construção de um sistema de navegação que possa ser utilizado em outros lugares do universo.

Para começar, ele não poderia ser chamado de GPS. Isso, porque, a sigla se refere à “sistema de posicionamento global” e, bem, esse guia espacial não usaria satélites na órbita da Terra (ou de outro planeta) para determinar a sua posição e sugerir uma rota.

É aqui que entra o uso da inteligência artificial. A meta dos pesquisadores é usar essa tecnologia para criar um sistema que seja capaz de identificar, por meio de fotos, qualquer lugar da superfície de um planeta ou satélite com a Lua.

O sistema, em questão, seria uma espécie de banco de dados de fotografias que, uma vez analisadas, criariam um modelo virtual do corpo celeste.

Com esse modelo formado, caberia a inteligência artificial analisar a posição de quem procura informações de localização – a consulta dos interessados se daria por meio de uma foto enviada ao sistema – e determinar a melhor rota para se chegar ao local desejado.

Para testar a eficácia do sistema, os pesquisadores “criaram” uma Lua, abastecendo a inteligência artificial com 2,4 milhões de imagens de um corpo celeste hipotético. Esse material teria sido o suficiente para permitir que se navegasse pela superfície dessa Lua.

O próximo passo da equipe é utilizar imagens reais de Marte para criar o mesmo banco de dados e permitir que a sua superfície seja mapeada a ponto do sistema de navegação ser capaz de dar orientações para quem quiser se locomover pelo planeta.

Se tudo der certo, é bastante provável que os primeiros humanos a pisarem no planeta vermelho terão meios de se locomover sabendo exatamente como e para onde estão indo.

Robô usa reconhecimento facial e acaba com a graça de ‘Onde Está o Wally’

Lançado no final da década de 1980, a série de livros Onde Está O Wally? fez sucesso no Brasil ao desafiar as crianças a localizar o simpático rapaz de camisa listrada entre centenas de elementos desenhados nas páginas. Felizmente, a inteligência artificial daquela época não era tão desenvolvida para estragar a graça da brincadeira: um robô desenvolvido com a tecnologia de reconhecimento facial do Google encontrou o Wally (conhecido nos Estados Unidos como Waldo) em apenas 4,5 segundos.

Máquina desenvolvida com tecnologia do Google localizou o personagem em apenas 4,5 segundos

Conhecido como Redpepper, o programa consegue gravar previamente as imagens que deseja localizar e, ao vasculhar todos os elementos, consegue facilmente identificar sua posição. Bastam uma pequena câmera e o chip Raspberry Pi, capaz de automatizar diferentes programações, para que a máquina funcione com o mecanismo de reconecimento facial.

De acordo com os desenvolvedores da tecnologia, o robô consegue realizar a identificação com 95% de precisão. Equipado com um braço mecânico, ele aponta rapidamente a localização de Wally.

Veja como a máquina funciona nesse vídeo:

Antes de ser testado, a máquina memorizou mais de 100 desenhos diferentes do Wally, disponíveis no Google. O aprendizado foi o bastante para que o robô conseguisse fazer a identificação dos elementos nas diferentes páginas apresentadas.

Robô usa reconhecimento facial e acaba com a graça de ‘Onde Está o Wally’

Em 2015, o cientista da computação Randal Olson publicou uma base de dados que reúne as informações a respeito da localização de Wally em 68 desenhos diferentes. De acordo com o estudo, o personagem de camisa listrada quase nunca aparece no canto superior esquerdo, provavelmente porque ali costuma ter um cartão postal ou algo parecido.

As bordas também raramente são um esconderijo, pois são lugares mais óbvios pelos quais as pessoas começam sua busca – especialmente a borda inferior do canto direito, que é o primeiro lugar que se vê ao virar a página. Wally nunca se esconde ali.

Robô usa reconhecimento facial e acaba com a graça de 'Onde Está o Wally'

Máquina desenvolvida com tecnologia do Google localizou o personagem em apenas 4,5 segundos

Criado pelo ilustrador britânico Martin Handford, Onde Está o Wally já foi traduzido para diferentes línguas — no Brasil, foram publicados diferentes livros com temáticas como a história, o universo cinematográfico e paisagens de diferentes lugares do planeta.

fonte: https://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/08/robo-usa-reconhecimento-facial-e-acaba-com-graca-de-onde-esta-o-wally.html

Cientistas criam método para reduzir testes em animais de laboratório

Com novo método, cerca de 57% dos testes podem ser feitos sem o uso de animais

Pesquisadores norte-americanos revelaram nesta quarta-feira (11) a descoberta de um método utilizando big data (um grande volume de dados) que pode reduzir em quase 60% a necessidade de testes químicos nos quase 4 milhões de animais utilizados todos os anos pela ciência.

Cientistas criam método para reduzir testes em animais de laboratório.

Trata-se de uma ferramenta informatizada construída com base em um enorme banco de dados de estruturas moleculares. Quando combinadas, essas informações não só substituem o uso animal como, às vezes, apresentam resultados melhores do que os testes em bichos. São citados como exemplos casos de sensibilização da pele e irritação nos olhos, segundo relatam os pesquisadores na revista especializada “Toxicological  Sciences”.

“Estamos entusiasmados com o potencial desse modelo”, diz a toxicóloga Nicole Kleinstreuer, vice-diretora de um centro que avalia alternativas ao teste em animais no NIEHS (Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental) em Durham, Carolina do Norte (EUA). A pesquisadora, que não esteve envolvida no trabalho, diz que usar “big data […] é uma via extremamente promissora para reduzir e substituir os testes em animais”.

A maioria dos países exigem que novos produtos químicos só entrem no mercado depois de passarem por alguns testes de segurança. Mas a prática de expor coelhos, ratos e outros animais a produtos químicos para avaliar esses riscos vem enfrentando objeções públicas cada vez maiores, especialmente por parte de entidades de defesa dos animais.

Em 2016, o Congresso dos Estados Unidos aprovou uma lei de segurança química que obriga as agências reguladoras federais a tomarem medidas para reduzir o número de animais utilizados pelas empresas em testes de segurança.

Uma das sugestões é usar o que já se sabe sobre alguns compostos existentes para prever os riscos apresentados em novos produtos químicos com estruturas semelhantes. Há dois anos, uma equipe liderada por Thomas Hartung, da Escola Bloomberg de Saúde Pública Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland (EUA), deu um passo em direção a essa meta ao reunir dados de 9.800 testes em produtos químicos regulamentados pela ECHA (Agência Europeia de Produtos Químicos).

Cientistas criam método para reduzir testes em animais de laboratório.

Cientistas criam método para reduzir testes em animais de laboratório.

No artigo publicado hoje, a equipe de Hartung explica como chegou ao resultado: os pesquisadores expandiram seu banco de dados para 10 milhões de estruturas químicas ao adicionar as informações do banco de dados público PubChem e do Programa Nacional de Toxicologia dos Estados Unidos.

Em seguida, compararam as estruturas e propriedades toxicológicas, gerando um total de 50 trilhões de comparações e criando um vasto mapa de similaridade que agrupa compostos por estrutura e efeito. Finalmente, os cientistas testaram o modelo: eles pediram para prever o grau toxicológico de um produto químico escolhido aleatoriamente e compararam os resultados a seis testes em animais realizados com o mesmo composto.

Em média, a ferramenta computacional reproduziu em 87% os resultados dos testes em animais. O percentual é maior do que os próprios testes em animais, diz Hartung. Na revisão da literatura, seu grupo descobriu que os testes repetidos em ratos e coelhos reproduzem os resultados anteriores em apenas 81% dos casos. “Esta é uma descoberta importante”, afirma o pesquisador. “Nossos dados mostram que podemos substituir seis testes comuns –que respondem por 57% dos testes toxicológicos em animais do mundo– e obter resultados mais confiáveis.”

O resultado poderia ajudar a acabar com a repetição desnecessária de testes. A equipe descobriu, por exemplo, que 69 produtos químicos foram testados pelo menos 45 vezes no chamado “teste de coelho de Draize” –um método que gerou protestos da opinião pública por envolver o uso de um produto químico no olho de um coelho.

Mas o sistema de big data não é perfeito. Embora possa prever efeitos simples, como irritação na pele, casos mais complexos, como câncer, ainda estão fora de alcance, diz Mike Rasenberg, chefe da unidade de Avaliação e Disseminação Computacional da ECHA. “Esse não será o fim dos testes em animais”, prevê, “mas é um conceito útil para reduzi-los”.

A questão agora é como as agências reguladoras vão reagir ao novo método. Rasenberg diz acreditar que os europeus o aceitarão para testes simples porque atende a seus critérios de validação. Nos Estados Unidos, o centro NIEHS está trabalhando na validação do método.

Depois disso, a EPA poderá revisar os resultados da avaliação para determinar como e se eles podem ser usados. Se a avaliação for favorável, esses modelos poderão ser usados em conjunto com outras ferramentas para classificar um grande número de substâncias.

Hartung espera que o método de rastreamento também seja de interesse para os países que estão se preparando para implementar novas leis químicas, como a Turquia e a Coreia do Sul.

Google Duplex: entenda como o sistema de ligações por IA funciona

Google Duplex: entenda como o sistema de ligações por IA funciona

Assistente virtual do Google poderá marcar compromissos pelo telefone sem interferência humana.

Google anunciou, durante o I/O 2018, a nova habilidade de sua assistente virtual: falar pelo telefone com seres humanos. Por meio de uma tecnologia chamada Duplex, a Google Assistente, em breve, será capaz de resolver pequenas tarefas do “mundo real” que exigem uma ligação.

O recurso, que mostra um passo largo no campo de inteligência artifical, promete facilitar a vida do usuário ao marcar compromissos, como uma hora no salão de beleza ou uma reserva em um restaurante. A tecnologia pode ser uma vantagem para pequenos negócios que não possuem um site ou sistema online de reservas.

Assistente virtual do Google poderá marcar compromissos pelo telefone sem interferência humana.

Google Assistente será capaz de realizar ligações sem interferência humana (Foto: Ana Marques/TechTudo)

Segundo a empresa, o Google Duplex não consegue participar de qualquer conversa, mas está focado em realizar tarefas específicas pelo telefone de maneira muito natural. O sistema vai permitir que a pessoa do outro lado da linha fale normalmente, sem precisar se adaptar à máquina – como muitas vezes fazemos ao dar comandos de voz.

A complexidade da linguagem humana

Para atingir naturalidade e conforto nos diálogos, durante seu desenvolvimento, o Duplex foi explorado profundamente dentro de domínios fechados. De qualquer forma, a fala humana não tem nada de simples. Quando uma pessoa conversa com outra, ela fala rápido, se corrige no meio da frase, é prolixa, omite palavras confiando no contexto para entendimento e expressa intenções diversas dentro da mesma frase. No telefone, ainda há problemas com o som de fundo e a qualidade do áudio.

Por exemplo, ao ser questionado sobre os horários de um estabelecimento, um funcionário diz: “Então… ééé… de terça a quinta, a gente abre das onze da manhã até as duas da tarde, e depois reabre das quatro às nove. E aí na sexta, sábado, domingo… não, sexta e sábado abrimos de onze até nove e domingo de uma até nove horas.”

Google Assistente terá autonomia para marcar compromissos (Foto: Reprodução/TechTudo)

Assistente virtual do Google poderá marcar compromissos pelo telefone sem interferência humana.

A inteligência artificial tem muitos desafios: entender a linguagem humana, imitar o comportamento natural, processar com rapidez as expectativas de tempo das respostas e gerar falas orgânicas, com as entonações certas. O Google promete grandes avanços em tudo isso.

Como o Duplex funciona

No cerne da tecnologia do Duplex, para lidar com esses desafios, está uma rede neural recorrente (RNN, na sigla em inglês) construída usando TensorFlow Estendido (TFX). A RNN é uma classe de rede neural artificial capaz de usar sua memória para processar uma sequência de dados fornecidos e agir dinamicamente ao longo de um período de tempo. O TFX é uma plataforma de propósitos amplos baseada no TensorFlow, estrutura de aprendizado de máquina – ou “machine learning” – de código aberto.

A rede neural do Duplex foi treinada com um banco de conversas telefônicas anônimas. Ela utiliza o resultado da tecnologia de reconhecimento automático de fala (ASR) do Google, bem como recursos do áudio, o histórico da conversa e seus parâmetros (como o serviço desejado para um compromisso ou a hora atual).

Assistente virtual do Google poderá marcar compromissos pelo telefone sem interferência humana.

Assistente virtual do Google poderá marcar compromissos pelo telefone sem interferência humana.

Para controlar a entonação da fala de acordo com a circunstância, é empregada uma combinação de dois mecanismos de conversão de texto para fala (TTS), um concatenativo e outro sintético. A adição de disfluências da linguagem oral, como “hummm” e “ééé”, também ajuda o resultado final a soar mais familiar e realista.

Outro ponto importante é atender às expectativas das pessoas quanto ao tempo de reação, o que varia de situação para situação. Se você diz “alô”, vai esperar do interlocutor uma resposta instantânea, pois não tem muito o que pensar. Nesse caso, o Duplex recorre a processos de menor confiança, mas mais rápidos. Enquanto isso, em certos cenários, como ao responder a frases longas e complexas, a IA aumenta o tempo de resposta.

O Google Duplex executa diálogos sofistificados de forma totalmente autônoma, mas também sabe reconhecer quando uma tarefa mais complicada está fora do seu alcance. Quando isso acontece, o sistema repassa a solicitação para um operador humano, que vai completar a tarefa. E para treinar o software em novas áreas de atuação, instrutores experientes o supervisionam trabalhando em tempo real. Conforme necessário, eles guiam os procedimentos e assim a IA vai aprendendo.

A nova tecnologia incorporada à assistente do Google vai permitir, inclusive, que o usuário faça um pedido a qualquer momento, mesmo que sua conexão esteja ruim ou que o lugar esteja fechado. Assim que for possível, o Duplex ligará para realizar a tarefa. A ferramenta pode também beneficiar pessoas com deficiência auditiva e viajantes que não falam a língua local.

Além disso, as ligações realizadas vão ajudar a tornar algumas informações acessíveis a todos, pela internet. Quando a IA ligar para saber os horários de funcionamento de um restaurante nos feriados, por exemplo, esse dado ficará disponível online.

Assistente ajuda usuário com tarefas do cotidiano (Foto: Divulgação/Google)

Google Duplex: entenda como o sistema de ligações por IA funciona

Questões éticas

O anúncio do Google Duplex foi recebido com muita surpresa e empolgação pela mídia e pelo público, mas alguns levantaram preocupações com a ética do recurso. Nas ligações de teste apresentadas no evento do Google, os atendentes parecem nem desconfiar que estão falando com um robô. Críticos da tecnologia questionaram todo esse realismo e a possibilidade de enganar um ser humano.

A companhia, porém, afirma que a assistente virtual vai se identificar durante as conversas, deixando claro que se trata de uma inteligência artificial fazendo a ligação. O Duplex ainda está em fase de testes e não há previsão de quando os usuários terão acesso.

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Em todas as áreas do conhecimento há uma separação entre quem é da área e quem é de fora, com percepções diferentes da realidade. A parte de inteligência artificial talvez seja a que mais gere uma percepção totalmente fora da realidade, com pessoas de fora achando que estamos a dois ou três updates do Chrome de criar a Skynet, e que robôs como o Atlas da Boston Dynamics estão prestes a quebrar seus grilhões e dominar o mundo.

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Isso explica a reação geral a uma bobagem peça artística de Alexander Reben, um daqueles artistas modernos que diferem de acumuladores por de vez em quando se livrarem de parte de sua coleção por preços exorbitantes. Ele construiu uma trapizonga onde dá um comando de voz para o Assistente do Google, o equipamento reconhece o comando, aciona um solenóide, dispara uma arma de airsoft e mata uma maçã. Eis o vídeo:

Note que ele usou uma daquelas tomadas inteligentes e nem se preocupou em acionar momentaneamente o gatilho, depois do disparo o solenóide continua ativado, mas isso não importa.

O artista diz que usou peças que tinha jogadas pelo seu estúdio (não falei?) e que

“Parte da mensagem para mim inclui as consequências não-planejadas da tecnologia e a futilidade de considerar cada caso de uso”

Ele se apressou em explicar que usou uma arma mas o equipamento poderia perfeitamente acionar uma cadeira de massagem ou uma máquina de sorvete.

A discussão, nos comentários e em outros sites enveredou sobre quem seria responsável se a arma fosse de verdade e estivesse apontada para um humano. A rigor a culpa é óbvia, ele comandou o disparo, mas e se fosse algo aleatório, que a própria máquina decide?

O pessoal que faz campanha contra drones em geral não entende a tecnologia, acham que há autonomia ali, mas não reclamam de um avião convencional com um piloto. Na verdade os “drones” são aviões de controle-remoto glorificados, ao invés de um piloto estressado com medo de um talibã em seu dia de sorte com um míssil Igla, temos dois sujeitos num escritório refrigerado em Nevada, tomando refrigerante e selecionando os alvos com calma, sem stress.

Claro, de vez em quando eles se confundem e bombardeiam um casamento árabe mas quer saber? Nem dá pra culpar.

Drones no futuro terão autonomia? provavelmente, mas eu vou contar um segredo: Já era. Esse barco já partiu. Já temos máquinas que matam pra gente sem NENHUMA preocupação ética. O pesadelo dos luditas, máquinas assassinas que se rebelam e se tornam uma ameaça a todos os humanos foram criadas na China, no Século III provavelmente ou no X com mais certeza, foram as antepassadas dessas belezinhas aqui:

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

 

 

Minas terrestres continuam a matar décadas depois que os conflitos para os quais foram instaladas já foram esquecidos. Assim como foram as 73500 vítimas civis entre 1999 e 2009, gente de países pobres, crianças brincando ou indo pra escola, agricultores tentando tirar seu sustento da terra. Só no Vietnã a área interditada daria pra alimentar 12 mil famílias.

Aí vem um playboy de Internet dizer que medo mesmo tem de um robô com um software cheio de salvaguardas pra garantir que só acertará os caras maus?

Ah sim existe outra máquina que mata indiscriminadamente, sem intervenção humana: Arame farpado.

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Em um mundo lindo e fofinho não precisaríamos matar ninguém, viveríamos em paz, de mãos dadas cantando Kumbaya, mas no mundo real todo mundo precisa se defender, e a tecnologia está cada vez mais eficiente. Ter medo dos avanços é crueldade, é dizer que você prefere mortes indiscriminadas. Hoje pulveriza-se um prédio enquanto as casas em volta no máximo perdem algumas janelas. Para conseguir os resultados do último grande ataque à Síria na Segunda Guerra seria preciso destruir a cidade inteira. Dessa vez foram 3 ou 4 prédios e zero vítimas civis.

Inteligência Artificial, sistemas especialistas, machine learning, têm se mostrado melhores do que humanos em um monte de tarefas, incluindo diagnosticar câncer de pele. Por quê o medo de usar a mesma tecnologia pra diferenciar amigos de inimigos? As chances de fogo amigo ou mortes de inocentes cairão bastante.

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Artista usa Assistente do Google para disparar arma e atiça debate inexistente

Exceto se a IA for desenvolvida pelas Indústrias Hammer.

A questão da responsabilidade? Isso foi decidido séculos atrás, se um escravo causa danos ou mata alguém, a responsabilidade é de seu dono, e as máquinas são (por enquanto) nossas escravas, vide a etimologia do termo “robô”.

Quando e SE robôs se tornarem sencientes, quando e SE robôs ganharam status legal de indivíduos, de novo o problema estará resolvido, a responsabilidade será deles. Só que aí eles decidirão se querem participar de nossas guerras ou não.

Apocalipse robótico está a décadas de distância, diz ex-CEO da Google

Com medo do apocalipse robótico que podemos sofrer em um futuro próximo quando a Skynet despertar? Pode ficar tranquilo porque, se depender do ex-CEO da Google, esse cenário não deve acontecer tão cedo. Falando na Munich Security Conference, Eric Schmidt disse que nossas preocupações só devem começar daqui a dez ou vinte anos.

Apocalipse robótico está a décadas de distância, diz ex-CEO da Google

“Todo o mundo imediatamente então quer falar sobre todos os cenários de morte inspirados nos filmes, e eu posso confiantemente prever para vocês que eles estão a uma ou duas décadas de distância”, começou Schmidt. “Então não vamos nos preocupar com eles, mas vamos nos preocupar com eles daqui a algum tempo”, continuou com mais bom humor, segundo o DefenseNews.

Vocês têm assistido filmes demais. Deixe-me ser claro: humanos vão continuar no comando da IA pelo resto dos tempos

Ainda sobre esse cenário, Schmidt deixa claro que, para ele, esse é um cenário improvável, embora certamente não impossível. O motivo para tão poucas preocupações? Basicamente, ele acha que a IA pode ajudar a nos tornar mais inteligentes, mas não acredita que os robôs devem ser colocados na posição de tomar decisões de vida ou morte, justamente por serem incapazes de se adaptar às situações ou improvisar.

“O outro ponto que eu quero relembrar a todos é que essas tecnologias têm sérios erros nelas, e eles não devem ser usados em decisões de vida ou morte. Então eu não gostaria de estar em um avião em que o computador estava fazendo todas as decisões inteligentes em geral sobre fazê-lo voar. A tecnologia apenas não é confiável o suficiente – há muitos erros em seu uso. Ela é consultiva, ela faz você mais inteligente e assim por diante, mas eu não a encarregaria de comandar e controlar.”

Se mesmo isso não foi suficiente para convencê-lo, a moral da história deixada por Schmidt é simples. “Vocês têm assistido filmes demais. Deixe-me ser claro: humanos vão continuar no comando da [IA] pelo resto dos tempos.” Por dentro da IA: Inteligência artificial vence 20 advogados em teste de revisão de contratos. 

Inteligência artificial redefine o humano, diz estudioso em “Blade Runner

Você pode nunca ter ouvido falar do autor americano Philip K. Dick (1928-1982), mas certamente já se divertiu com alguma de suas ideias. Suas histórias inspiraram filmes como “Blade Runner” e “Minority Report” e séries como “The Man in the High Castle” e “Electric Dreams”. Seu trabalho foi adaptado ao cinema e à TV mais do que qualquer outro autor de ficção científica, e um de seus maiores estudiosos acredita que suas histórias foram o pontapé para um debate sobre como robôs e inteligências artificiais nos obrigarão a redefinir o que significa ser humano.

Cena de "Blade Runner" (1982), clássico do cinema baseado em conto de Philip K. Dick...

Cena de “Blade Runner” (1982), clássico do cinema baseado em conto de Philip K. Dick…

Invenções assim são capazes de alterar radicalmente nossa realidade. É esse “papo-cabeça” que o físico espanhol Salvador Bayarri pretende trazer para São Paulo, durante a palestra que dará na quinta-feira (1º), na Campus Party 2018.

O físico, escritor e estudioso da obra de Philip K. Dick, o espanhol Salvador Bayarri.

Inteligência artificial redefine o humano, diz estudioso em “Blade Runner.

“Ele estava bem à frente de seu tempo. A maior parte da ficção nos anos 1950 e 1960 era sobre alienígenas e aventuras espaciais”, conta ele, que estuda a obra de Dick há mais de 15 anos. “Suas ideias influenciaram o movimento cyberpunk e filmes populares como ‘Matrix’ e programas de TV como ‘Westworld’ e ‘Black Mirror'”.

"Minority Report" (2002), dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Tom Cruise.

“Minority Report” (2002), dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Tom Cruise.

UOL – Como Philip K. Dick inspirou a ciência atual?

SB – Há duas áreas em que a visão de Dick é relevante para a ciência. Primeiro, ele podia ver que androides e inteligência artificial nos obrigariam a redefinir o que significa ser humano. Sua resposta foi que a empatia é o ingrediente-chave, independentemente da base física ou biológica.

Algoritmos superam as pessoas em jogos e resolvem problemas complexos, mas ainda estão longe de passar em um teste de empatia realista.

Uma IA (inteligência artificial) mais empática é essencial para aplicações como veículos autônomos ou sistemas de cuidados de saúde, em que a comunicação com as pessoas é importante e as decisões sobre vida e morte devem ser feitas.

A segunda área em que Dick deve ser uma inspiração é a consideração da realidade virtual como um conceito que deve abranger não só a tecnologia da informação, mas também a ciência social e cerebral. Na visão de Dick, a realidade é uma construção produzida como uma alucinação compartilhada, preenchida com memórias ou crenças verdadeiras ou falsas, crenças, sonhos e medos. Não se trata apenas de exibições montadas na cabeça, mas sobre como os dados e as interpretações que recebemos são filtrados e manipulados.

Inteligência artificial redefine o humano, diz estudioso em "Blade Runner.

Cena de “Blade Runner 2049”, continuação do clássico de 1982

UOL – O que acha dos recentes avanços em inteligência artificial e robótica? Precisamos de mais controle dos governos sobre isso?

Acho que estamos atingindo um estágio crítico e é importante pensar sobre o uso dessas tecnologias. Do mesmo modo que proibimos armas biológicas e químicas e tentamos controlar arsenais nucleares,

os esforços para proibir o uso ou “robôs assassinos” e outras armas autônomas são necessários antes que o uso desses aparelhos se espalhe para todos os tipos de mãos.

As aplicações de inteligência artificial estão crescendo exponencialmente. Algoritmos agora aprendem com outros algoritmos e podem evoluir por si mesmos. Não é algo que podemos parar, porque precisamos destas tecnologias, mas é uma boa ideia pensar sobre o que pode dar errado e tentar evitar.

A Comissão dos Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu
apresentou um relatório sobre as regras de direito civil em robótica, inspirado nas Três Regras da Asimov. A importante discussão que devemos ter não é apenas sobre “robôs assassinos”, mas também sobre como os empregos e decisões automáticos vão mudar a economia e como os impostos, as normas trabalhistas e todo o contrato social precisam se adaptar a essa transformação.

Inteligência artificial redefine o humano, diz estudioso em "Blade Runner.

Série da Amazon “Electric Dreams” também se inspira em contos de Philip K. Dick.

Série da Amazon “Electric Dreams” também se inspira em contos de Philip K. Dick

UOL – Acha que estamos perto de obter o mesmo nível de excelência dos replicantes do Blade Runner?

SB – Replicantes –“androides” era o termo original usado por Dick– são seres biológicos aprimorados com memórias e sentimentos artificiais. Estamos longe de projetar e construir algo como eles, seja biológico ou mecânico. No entanto, como queremos prolongar nossas vidas e também precisamos nos adaptar à vida no espaço e às mudanças no ambiente da Terra, é provável que a raça humana evolua para subespécies híbridas combinando órgãos e componentes artificiais e reforçados.

UOL – Stephen Hawking e outros cientistas estão certos de ter medo dos futuros robôs?

SB – Penso que eles estão certos em se preocupar e empenhar as nações a pensar sobre isso. Como Stanislaw Lem e outros autores de ficção científica sugeriram, as IAs evoluirão mais rapidamente do que nós. Em algum momento, será difícil para nos comunicar e entender esses sistemas complexos. Precisamos ter cuidado, adicionando salvaguardas às IAs da mesma forma que adicionamos verificações de segurança e de emergência em usinas nucleares. Nossa melhor chance, como Dick pode dizer, é construir empatia nesses “seres”, para torná-los tão humanos quanto somos, ou mais.

Série da Amazon "The Man in the High Castle", baseada em conto de Philip K. Dick, retrata como seria o mundo se o nazismo tivesse vencido...

Série da Amazon “The Man in the High Castle”, baseada em conto de Philip K. Dick, retrata como seria o mundo se o nazismo tivesse vencido…

Série da Amazon “The Man in the High Castle”, baseada em conto de Philip K. Dick, retrata como seria o mundo se o nazismo tivesse vencido

UOL – As previsões de Dick estão se tornando realidade?

SB – A ficção científica não tenta prever o futuro. É uma maneira de imaginar o que poderia acontecer e talvez nos ajude a aprender algo antes disso. Mas o futuro nunca se realiza como imaginamos. Hoje, vemos como nossa realidade pode ser moldada, pelas redes sociais ou por forças determinadas a influenciar nossas corações e mentes para seus interesses. Confirmar nossas crenças pela escolha das fontes “corretas” é um mecanismo de distorção tão poderoso quanto as drogas e “feixes de informação” que Dick usou em suas histórias.

Cena de "O Vingador do Futuro" (1990), estrelado por Arnold Schwarzenegger.

Cena de “O Vingador do Futuro” (1990), estrelado por Arnold Schwarzenegger.

UOL – Qual é a sua adaptação favorita das histórias de Dick para outra mídia?
Crescendo nos anos oitenta, para mim, os originais “Blade Runner” e “O Vingador do Futuro” estabeleceram um padrão muito alto, não porque fossem completamente fieis, mas porque conseguiram tirar os elementos mais profundos da visão de Dick e aprimorá-los. Muitas vezes, a ação adicional e os efeitos especiais ocultam grande parte das ideias básicas, como em “Minority Report”. Estou gostando muito da série de TV ”

Inteligência artificial redefine o humano, diz estudioso em “Blade Runner.

 

 

 

 

 

 

Nasa encontra sistema com oito exoplanetas, assim como o nosso

A Nasa –agência espacial dos Estados Unidos– anunciou nesta quinta-feira (14) a descoberta de um oitavo exoplaneta no sistema Kepler-90, o que faz dele o conjunto de planetas mais parecido com o nosso Sistema Solar.

Nasa encontra sistema com oito exoplanetas, assim como o nosso

A nova descoberta foi realizada graças à tecnologia da Nasa e a seu telescópio Kepler, junto com a inteligência artificial proporcionada em parceria com o gigante tecnológico Google.

A nova descoberta foi realizada graças à tecnologia da Nasa e a seu telescópio Kepler, junto com a inteligência artificial proporcionada em parceria com o gigante tecnológico Google.

Conhecido como Kepler 90i, o novo mundo orbita uma estrela chamada Kepler 90, que é maior e mais quente do que o Sol e fica na constelação de Draco –a 2.500 anos-luz da Terra.

“O sistema estrelar Kepler-90 é como uma mini versão do nosso Sistema Solar. Você tem planetas pequenos dentro e grandes planetas fora, mas tudo está muito mais perto”, afirma Andrew Vanderburg, membro da Nasa e astrônomo da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Sete dos exoplanetas – como são chamados os planetas existentes fora do Sistema Solar – já haviam sido descobertos antes em torno da Kepler 90. O Kepler 90i é o menor dos oito planetas até agora conhecidos nesse sistema alienígena. Apesar disso, é cerca de 30% maior do que a Terra e, por estar tão perto da sua estrela, a temperatura média de sua superfície pode chegar a 426ºC –similar a de Mercúrio em nosso sistema solar.

O novo exoplaneta dá uma volta em torno de sua estrela a cada 14,4 dias. A Terra, por sua vez, leva 365 dias para dar a volta em torno do Sol.

O planeta mais distante do sistema é o chamado de Kepler-90h, que orbita sua estrela a uma distância parecida a que separa a Terra do Sol.

A metodologia do telescópio espacial Kepler para descobrir novos planetas não se baseia na observação direta. Em vez disso, os sensíveis instrumentos do telescópio detectam minúsculas quedas periódicas no brilho de uma estrela, que ocorrem quando um planeta passa diante dela – é o que os astrônomos chamam de “trânsito”.

Como o fim da neutralidade de rede afeta o internauta

O princípio da neutralidade prevê que todos os pacotes devem trafegar nas mesmas condições, sem bloqueios ou faixas preferenciais

anonymous

Para entender o que é neutralidade de rede, basta imaginar a internet como uma grande rede de estradas, por onde trafegam, em vez de carros, pedaços de informação — os chamados pacotes de dados. O princípio da neutralidade prevê que todos os pacotes devem trafegar nas mesmas condições, sem bloqueios ou faixas preferenciais.

hacker

Velocidade: A neutralidade é quebrada quando, por exemplo, o administrador dessas estradas — neste caso, o provedor de internet — decide que determinado pacote não vai trafegar pela rede porque não é de seu interesse que aquele conteúdo circule por ali. Ou então o contrário: determina que alguns pacotes podem trafegar mais rapidamente, mediante pagamento de uma taxa extra.

Cobrança: O princípio da neutralidade faz diferença no dia a dia do usuário. Sem a neutralidade, uma operadora pode, por exemplo, fazer um acordo com um serviço de streaming de vídeo para garantir que seu conteúdo terá preferência na rede. E poderá cobrar mais por isso, repassando esse custo para o consumidor.

Concorrência: A neutralidade impede que uma empresa dona da infraestrutura de rede dê preferência ao tráfego, pela internet, do conteúdo produzido por outra companhia de seu grupo. Ou que deixe em velocidade mais lenta, propositalmente, o conteúdo produzido por alguma empresa rival. Advogados e especialistas alertam para os riscos do fim da neutralidade na rede, principalmente em um momento em que há a chamada verticalização do setor. Ou seja: donas de infraestrutura (provedores de internet) buscando parcerias com produtoras de conteúdo. A compra da Time Warner pela operadora AT&T por mais de US$ 80 bilhões, em análise pela Justiça americana, é exemplo dessa tendência no mercado.

Inovação: Especialistas alertam que a neutralidade de rede também garante igual acesso a empresas que queiram lançar serviços e produtos na internet. Sem o princípio da neutralidade, os provedores de internet poderão decidir que sites os usuários podem acessar, e a que velocidade. Assim, “entrantes” no mercado, ou seja, novos sites, novos aplicativos, novas ferramentas, poderão ser forçados a negociar antes com os provedores a velocidade do acesso a seus serviços e até mesmo a permissão para oferecê-los. Isso é um bloqueio à inovação.

Marco Legal: Nos EUA, a regra da neutralidade da rede estava em vigor desde 2015. No Brasil, este princípio está previsto no Marco Civil da Internet, sancionado em 2014. A regra brasileira prevê algumas exceções. Chamadas de emergência passam na frente no fluxo de dados pela internet. A neutralidade também pode ser rompida temporariamente em caso de congestionamento da rede.

 

Como descobrir e apagar as informações que o Google tem de você

Google acumula muita informação sobre hábitos dos usuários

Google acumula muita informação sobre hábitos dos usuários

Ele sabe o que você procura, o que te interessa e os lugares que você visita, entre muitas outras coisas. Esse é o Google, a ferramenta de busca mais usada do mundo.

“Quando o usuário usa nossos serviços, confia a nós informações dele”.

É assim, de forma clara, que o gigante tecnológico se dirige a seus usuários logo na primeira linha dos termos e condições de privacidade.

Mas o que você provavelmente não sabe é que o Google oferece a possibilidade de excluir as informações armazenadas em um lugar chamado “Minha atividade” ou “My activity”, em inglês.

Nós explicamos como fazer isso em alguns passos.

1. Excluir minha atividade

Cada vez que você faz uma pesquisa no Google, a empresa a salva e a associa à sua conta.

Ela também registra todos os movimentos que você faz, como preencher um formulário ou ler seu e-mail no Gmail.

Todos os dados são coletados em um site chamado “Atividade”. É exatamente nesta área que você tem que ir para consultá-lo.

Aqui está o link

BBC Brasil

Atividade no Google

Você tem três opções na hora de excluir informações:

A primeira é usar a pesquisa para encontrar uma página específica para apagar.

A segunda é limpar as buscas feitas no mesmo dia, escolhendo “Hoje” e depois clicando na opção “Excluir”

A terceira opção é eliminar toda a sua pesquisa. Para fazer isso, clique em “Excluir por” na lista à esquerda. Clique em “Excluir por data” e selecione “Todo o período”. Se você tem certeza desta opção, clique em “Excluir”.

Em todos os casos, aparecerá um aviso do Google sobre os possíveis impactos dessa decisão. Mas, na realidade, excluir o histórico de pesquisa do Google e a trilha de navegação não tem nenhuma consequência em relação à operação da sua conta do Google ou seus aplicativos.

2. Elimine toda a sua atividade no YouTube

O Google também mantém um registro de todas as suas pesquisas no YouTube.

BBC Brasil

Atividade no YouTube

Mas isso é algo que você também pode excluir facilmente, apagando o histórico de pesquisa.

3. Como eliminar tudo que os anunciantes sabem sobre você

O Google não só sabe tudo sobre você, mas também repassa essa informação a anunciantes.

É por isso que ele é capaz de mostrar anúncios que combinam com o que você procura.

BBC Brasil

Configurações de conta no Google

Mas é possível descobrir quais informações estão sendo transmitidas aos anunciantes.

Para isso, acesse sua conta do Google e depois “Informações pessoais e privacidade”. Desta vez, o que interessa é a opção “Configurações de anúncio”.

Uma vez dentro, clique em “Gerenciar Configurações de Anúncio”.

Na sequência, opte por “Controlar anúncios com sessão fechada”. Se você clicar nessa opção, você pode escolher se deseja receber anúncios com seus interesses ativados ou desativados (a opção de não receber publicidade não está disponível).

BBC Brasil


Anúncios no Google

O Google irá avisá-lo de que não se adequará a você porque você vai parar de ver anúncios relacionados aos seus interesses, mas cabe a você escolher.

4. Remover o histórico de localização do Google

Se você usa um dispositivo Android, o Google acompanha os locais que você visitou com seu dispositivo por meio de um recurso chamado Rotas.

Para apagar todas essas informações do Google Maps, você deve acessar essa página.

A função em questão é chamada de Rotas e a exclusão do rastreio é tão simples quanto clicar no botão da lixeira (na parte inferior direita da tela).