Category Archives: Robótica

Robô Curiosity, da Nasa, completa 2 mil dias caminhando na superfície de Marte

Cientistas que participaram da missão de exploração de Marte dizem quais são suas imagens favoritas do planeta vermelho, e explicam o porquê.

Um ciclo completo do MRO em torno do planeta vermelho determina um “dia marciano”, chamado pelos pesquisadores de “sol”.

A primeira imagem enviada pela Rover é uma fotografia granulada, feita pela câmera Front Hazard, do local conhecido como monte Sharp. Esta câmera geralmente é usada pelos controladores do aparelho para evitar obstáculos nos deslocamentos.

Robô Curiosity, da Nasa, completa 2 mil dias caminhando na superfície de Marte

Cientistas que participaram da missão de exploração de Marte dizem quais são suas imagens favoritas do planeta vermelho, e explicam o porquê.

Seixos de rio: Quando começamos a dirigir, cerca de 16 “sóis” depois da aterrissagem, logo nos deparamos com esses “seixos” no terreno. O formato arredondado dessas pedras sugeriam que elas tinham se formado em um antigo riacho, que corria de um terreno elevado para o local conhecido como cratera Gale. A imagem capturada pela Mastcam mostra essas crateras em close.

Ao contrário do que esperávamos antes do pouso do Curiosity, a imagem não mostrava pedras de basalto primitivo e escuro, e sim uma formação rochosa mais variada e complexa. Os seixos desse antigo rio marciano nos fizeram repensar o que acreditávamos sobre o processo de formação geológica de Marte.

Local chamado Baía de Yellowknife é formado por camadas de areia fina e lama seca (Foto: NASA/JPL-CALTECH)

Cientistas que participaram da missão de exploração de Marte dizem quais são suas imagens favoritas do planeta vermelho, e explicam o porquê.

Lago ancestral: Antes da aterrissagem e nos primeiros momentos da missão, nossa equipe não tinha certeza sobre o que eram os terrenos identificados nas fotos de satélite feitas pelo MRO. Algumas áreas poderiam tanto ser fluxos de lava vulcânica quanto sedimentos acumulados no leito de lagos secos.

Sem imagens feitas do solo, era impossível saber com certeza. Esta imagem resolveu a questão e representou um avanço para a exploração de Marte.

Descobrimos, assim, que o local chamado Baía de Yellowknife é formado por camadas de areia fina e lama seca, que foram depositadas ali por rios que corriam para um lago formado na Cratera Gale. Extraímos as primeiras 16 amostras de solo do local no “dia marciano” de número 182 – fizemos isso para levar o solo e as rochas até os espectômetros que estão dentro do robô. Os resultados, que incluíam argila, material orgânico e compostos que continham nitrogênio, mostraram que aquele local já habitável para vida microbiana. A pergunta seguinte – já houve vida em Marte? – continua sem resposta.

Aparelho encontrou rochas formadas por sedimentos de lama (Foto: NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

Aparelho encontrou rochas formadas por sedimentos de lama (Foto: NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

Águas profundas: O Curiosity chegou às colinas Pahrump no “dia marciano” de número 753. O que encontramos lá foi fundamental para explicar o passado da Cratera Gale. O aparelho encontrou rochas formadas por sedimentos de lama, criadas quando esse material se decantou lentamente no fundo do lago.

Ou seja: o lago da Cratera Gale foi um corpo d’água perene, que existiu durante bastante tempo, e era bastante profundo.

Cientistas que participaram da missão de exploração de Marte dizem quais são suas imagens favoritas do planeta vermelho, e explicam o porquê.

Robô também encontrou grossa formação de arenito (Foto: NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

Uma inconformidade: No local conhecido como Monte Stimson, o Curiosity encontrou uma grossa formação de arenito (rocha formada por areia) na borda do lago seco, separada deste pela formação geológica chamada “inconformidade”.

Apocalipse robótico está a décadas de distância, diz ex-CEO da Google

Com medo do apocalipse robótico que podemos sofrer em um futuro próximo quando a Skynet despertar? Pode ficar tranquilo porque, se depender do ex-CEO da Google, esse cenário não deve acontecer tão cedo. Falando na Munich Security Conference, Eric Schmidt disse que nossas preocupações só devem começar daqui a dez ou vinte anos.

Apocalipse robótico está a décadas de distância, diz ex-CEO da Google

“Todo o mundo imediatamente então quer falar sobre todos os cenários de morte inspirados nos filmes, e eu posso confiantemente prever para vocês que eles estão a uma ou duas décadas de distância”, começou Schmidt. “Então não vamos nos preocupar com eles, mas vamos nos preocupar com eles daqui a algum tempo”, continuou com mais bom humor, segundo o DefenseNews.

Vocês têm assistido filmes demais. Deixe-me ser claro: humanos vão continuar no comando da IA pelo resto dos tempos

Ainda sobre esse cenário, Schmidt deixa claro que, para ele, esse é um cenário improvável, embora certamente não impossível. O motivo para tão poucas preocupações? Basicamente, ele acha que a IA pode ajudar a nos tornar mais inteligentes, mas não acredita que os robôs devem ser colocados na posição de tomar decisões de vida ou morte, justamente por serem incapazes de se adaptar às situações ou improvisar.

“O outro ponto que eu quero relembrar a todos é que essas tecnologias têm sérios erros nelas, e eles não devem ser usados em decisões de vida ou morte. Então eu não gostaria de estar em um avião em que o computador estava fazendo todas as decisões inteligentes em geral sobre fazê-lo voar. A tecnologia apenas não é confiável o suficiente – há muitos erros em seu uso. Ela é consultiva, ela faz você mais inteligente e assim por diante, mas eu não a encarregaria de comandar e controlar.”

Se mesmo isso não foi suficiente para convencê-lo, a moral da história deixada por Schmidt é simples. “Vocês têm assistido filmes demais. Deixe-me ser claro: humanos vão continuar no comando da [IA] pelo resto dos tempos.” Por dentro da IA: Inteligência artificial vence 20 advogados em teste de revisão de contratos. 

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser “humana

Em um de seus primeiros vídeos, ela se apresenta com um timbre de voz gelado. “Oi, aqui é Sophia. Não sei bem o que realmente significa ser humana. Acho que vai levar algum tempo para entender todos vocês. Talvez vocês me ensinem como ser humana ao longo do caminho”.

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser "humana"

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser “humana”

Esse foi um dos vislumbres da robô Sophia, que “nasceu” (digo, foi ativada) em 19 de abril de 2015, segundo a empresa criadora, a Hanson Robotics. Seu último avanço ocorreu nesta segunda (8) na feira de tecnologia CES, em Las Vegas, quando ganhou pernas e andou pela primeira vez – antes só se movia com rodinhas.

Sophia é considerada a melhor robô de interações pessoais da atualidade. Ela é dotada de um rosto sintético inspirado na atriz Audrey Hepburn (de “Bonequinha de Luxo”) e na esposa de seu criador, David Hanson, presidente da companhia que leva seu nome. Também possui a tecnologia chamada de aprendizado de máquina, que faz com que ela “fique mais inteligente” ao vivenciar experiências.

O rosto de Sophia é capaz de pelo menos 62 expressões faciais e de pescoço. Ela tem câmeras nos olhos para conseguir “ler” as reações faciais dos interlocutores para que isso a ajude a falar e se expressar melhor. A careca Sophia expõe seu cérebro eletrônico no crânio com um material transparente.

Esse cérebro contém três configurações: uma plataforma de pesquisa em inteligência artificial, que responde perguntas simples como “A porta está aberta ou fechada?”; um programa robô que recita frases pré-carregadas; e um “chatbot” que “olha” para as pessoas, ouve o que eles dizem e escolhe uma resposta apropriada, além de dar dados da internet de interesse geral, como o preço do bitcoin.

Sophia pop star

Sophia vem sendo alvo de muita atenção da mídia nesses dois anos de vida. Em poucos meses ela ganhou cidadania na Arábia Saudita, discursou na ONU, fez gracinhas em um dos talk shows mais famosos dos EUA e disse que quer destruir a humanidade mas também ter uma família. Em meio a tudo isso, causou algumas polêmicas também.

 Em um de seus primeiros vídeos, ela se apresenta com um timbre de voz gelado. "Oi, aqui é Sophia. Não sei bem o que realmente significa ser humana. Acho que vai levar algum tempo para entender todos vocês. Talvez vocês me ensinem como ser humana ao longo do caminho".

Em um de seus primeiros vídeos, ela se apresenta com um timbre de voz gelado. “Oi, aqui é Sophia. Não sei bem o que realmente significa ser humana. Acho que vai levar algum tempo para entender todos vocês. Talvez vocês me ensinem como ser humana ao longo do caminho”.

Robô Sophia em sua primeira aparição no festival South by Southwest, Austin, em 2016, ao lado de seu criador, David Hanson

Vem aí um Einstein e “Blade Runner”

A trajetória de Sophia se confunde com a da Hanson Robotics, companhia criada em 2013 em Hong Kong e que tem como fundador o americano David Hanson, ex-funcionário de animatrônicos –robôs de parques temáticos– da Disney e um dos maiores entusiastas da robótica da atualidade.

Desde 2005 ele trabalha em pelo menos outros oito robôs, incluindo versões com os rostos artificiais do físico Albert Einstein e do escritor Philip K. Dick. Esse último é autor do livro de ficção científica que inspirou o filme “Blade Runner”, que, veja só, fala em humanos artificiais trabalhando –e se rebelando– contra os humanos.

Mas como temos visto, Sophia é a menina dos olhos da Hanson. Na visão dele, o objetivo da robô é ajudar crianças e idosos em cuidados de saúde, educação e serviços de atendimento ao consumidor. Isso, claro, quando ela estiver pronta, pois seu “pai” ainda pensa nela como um bebê em constante aprendizado.

“É parte máquina, parte criança, ainda que tenha todas essas capacidades cognitivas e o vocabulário de um adulto”

Hanson à CNET

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser "humana"

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser “humana”

Sophia “sorri” no evento Further Future, em Las Vegas, em 2016

Afinal, é a robô mais evoluída?

Existem duas grandes polêmicas envolvendo a robô favorita do mundo atualmente. A primeira é se ela é realmente o robô mais perfeito já criado para a interação humana, como dão a entender. A segunda é se não estamos dando atenção demais a isso, dando a Sophia direitos que nem certos humanos conquistaram ainda.

As aparições públicas de Sophia dividem opiniões; muitos acham espantosa a sua capacidade de ter um mínimo de conversação com adultos e falar sobre diversos temas, mas outros apontam que a robô tem muitas limitações que vem sendo maquiadas pelo estilo marqueteiro da Hanson Robotics.

Sophia já discursou ou conversou com muitas pessoas em diversas ocasiões, mas ela normalmente traz muitas respostas prontas e poucas interações mais desafiadoras, além de sempre ser solicitada a contar piadas bobas, como se precisasse seguir um roteiro.

Na entrevista à “Elle”, por exemplo, a editora disse que em alguns momentos recebeu “respostas nonsense”, falando sozinha ou sem dizer nada. Ela ainda quis perguntar sobre Donald Trump, mas foi alertada “para não entrar em assuntos políticos” (religião e sexo também são assuntos proibidos).

Ela também já foi criticada por sua inteligência artificial limitada e por suas expressões faciais meio esquisitas e artificiais.

Sophia em uma festa estranha com gente esquisita

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser "humana"

Sophia já consegue andar: conheça a robô que está aprendendo a ser “humana”

“Sua aparência ainda não é tão convincente. Diria que ela está no “vale da estranheza'”, diz o professor de robótica do ICMC-USP Fernando Osório, referindo-se à teoria que diz que robôs que se comportam de forma muito parecida, mas não idêntica, aos seres humanos causam repulsa.

Até mesmo Ben Goertzel, cientista-chefe da Hanson Robotics, admite que o sistema de Sophia é bem parecido ao que vemos há anos na assistente pessoal da Apple, a Siri e que não acha “ideal” o entendimento geral que ela possui AGI, isto é, inteligência geral artificial (o termo da indústria equivalente à inteligência humana).

Outro tema polêmico, mas na seara mais política, foi quando a robô ganhou cidadania saudita, sendo a primeira do gênero a alcançar tal feito. Nas redes sociais, foi levantado o fato de que, assim, ela ganhou mais direitos que as mulheres no país, considerado um dos Estados mais opressivos do mundo para as mulheres.

Ainda há também controvérsias se é sequer o robô pessoal mais avançado da atualidade. Afinal, há bons concorrentes por aí, como o Asimo da Honda, que tem mais de 15 anos de estrada e os da LG que interagem com passageiros de aeroportos; Fora os que malham, que dão saltos mortais, e robôs assistentes como Jibo e Kuri.

“O Asimo não tem desenvoltura nem expressão facial, mas pode receber a ordem de várias pessoas e saber qual pessoa está falando com ele pela percepção de áudio” 

Adam Henrique Pinto, membro do grupo de pesquisa e competição em robótica Warthog

Mas a questão que perdura é: queremos mesmo que Sophia, ou qualquer outro robô, seja tão perfeita assim?

O criador David Hanson diz que acredita no dia que robôs serão indistinguíveis de humanos, mas prefere que eles tenham aparência próxima, mas não igual, à humana. E nomes como Stephen Hawking e Elon Musk já se opõem a robôs definitivos, o que gerou até uma resposta jocosa de Sophia (ver arte abaixo).

“Não vamos chegar ao ponto de sermos dominados. Os robôs existem para nos ajudar e a inteligência artificial existe para facilitar a nossa vida. E a robótica não é mais uma área isolada da tecnologia. Ela está caminhando com as ciências humanas e levando em conta fatores éticos em seu desenvolvimento”, defende o doutorando em robótica do ICMC-USP Daniel Todazore.