Einstein estava certo

Einstein estava certo

— até agora! Recorde pulsar leva testes da relatividade geral em um novo território.

Um par extremo de estrelas superdensas se orbitando mutuamente colocou o teoria da relatividade geral de Einstein para seu teste mais difícil, e o físicos de cabelos em pé!!.
484452_562869733734456_1889936440_n

Cerca de 7.000 anos-luz da terra, uma estrela de nêutrons excepcionalmente grande que gira em torno de 25 vezes por segundo!!! é orbitada por uma estrela compacta, ou uma anã branca. A gravidade deste sistema é tão intensa que oferece um campo de testes sem precedentes para as teorias da gravidade. Einstein estava certo — até agora! Recorde pulsar leva testes da relatividade geral em um novo território.
Um par extremo de estrelas superdensas se orbitando mutuamente colocou o teoria da relatividade geral de Einstein para seu teste mais difícil, e o físicos de cabelos em pé!!.
Cerca de 7.000 anos-luz da terra, uma estrela de nêutrons excepcionalmente grande que gira em torno de 25 vezes por segundo!!! é orbitada por uma estrela compacta, ou uma anã branca. A gravidade deste sistema é tão intensa que oferece um campo de testes sem precedentes para as teorias da gravidade.

Este vídeo é uma impressão artística de um duplo objeto exótico, que consiste de uma pequena, mas muito pesada estrela de nêutrons que gira 25 vezes por segundo, orbitada a cada duas horas e meia por uma estrela anã branca. A estrela de nêutrons é um pulsar chamado PSR J0348 0432 que está emitindo ondas de rádio que podem ser captadas na Terra por radiotelescópios. Embora este par seja incomum e interessante, e é também um laboratório único para testar os limites das teorias físicas.
Este sistema está irradiando radiação gravitacional, ondulações no espaço-tempo. Embora estas ondas ainda não possa ser detectada directamente por astrônomos na Terra, mas poden ser detectado indirectamente, através da medição da alteração na órbita do sistema, uma vez que perde energia.
À medida que o pulsar é tão pequeno o tamanho relativo dos dois objetos não estão em escala, e os prazos não são realistas.

 

Esta entrada foi publicada em Relatividade. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta