Exoplanetas: o que são e como procurá-los

O exoplaneta Proxima b, cuja descoberta foi anunciada nesta quarta-feira por pesquisadores, pode engrossar as fileiras de uma dúzia de outros planetas localizados em “zonas habitáveis”, onde “todas as formas de vida são possíveis”, estima Jean Schneider, astrofísico do CNRS em Paris.

Exoplanetas: o que são e como procurá-los

Exoplanetas: o que são e como procurá-los

Pergunta: O que é um exoplaneta?

Resposta: Um exoplaneta é um planeta orbitando uma estrela fora do Sistema Solar. Ele não possui mais do que algumas dezenas de vezes a massa de Júpiter, o maior planeta do nosso sistema solar. Até o momento, encontramos quase 3.500 exoplanetas confirmados entre vários milhares de candidatos que requerem uma análise adicional. Proxima b, se a sua existência for confirmada, é mais interessante do que os outros, porque se encontra em torno da estrela mais próxima de nós, o que nos dá esperança de chegarmos lá um dia.

P: Como detectá-los?

R: Há três técnicas para detectá-los. A mais evidente, é fotografar o exoplaneta. É o método mais promissor, sobre o qual há mais pessoas trabalhando.

O segundo método, é aquele utilizado para encontrar o Proxima b. Se o movimento de uma estrela é perturbado significa que há um planeta que a perturba sob o efeito das leis da gravidade. Esta era a técnica mais rentável até 2010.

E depois há o telescópio americano Kepler. Ele utiliza um outro método: o do trânsito. Se a órbita do planeta estiver corretamente inclinada no céu em relação a nós, periodicamente o planeta passa em frente a sua estrela. Neste momento, produz um pequeno eclipse, que também chamamos de trânsito. Com este método, Kepler detectou milhares de planetas.

P: Existe alguma chance de encontrarmos vida nesses exoplanetas?

R: Dos milhares de exoplanetas confirmados, apenas algumas dezenas, como Proxima b, se encontram em uma zona habitável, ou seja, a área em torno da estrela onde um planeta tem uma temperatura compatível com a presença de água no estado líquido.

A temperatura é um critério suficiente para que seja habitável, mas isso não significa que ela seja habitado, que haja realmente organismos biológicos. Mas a partir daí, todas as formas de vida são possíveis. A gama é extremamente ampla.

As propriedades da atmosfera podem também desempenhar um papel. Para Proxima b, vamos verificar se a densidade de sua atmosfera é suficiente para proteger o planeta dos fortes raios-x da estrela. Ou então devemos pensar em uma forma de vida que se adapte aos raio-x! Precisamos ser extremamente abertos sobre o que chamamos de vida.

Já na Terra, há uma grande biodiversidade. A vida se adapta a quase todas as circunstâncias. Encontramos organismos biológicos na Antártica, bactérias sobrevivem em usinas nucleares, enquanto em outros planetas, pode haver muitas coisas mais.

 

Esta entrada foi publicada em Astrofísica, Astronomia, planetologia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta