Missão tripulada a Marte é viável, porém cara

Uma missão tripulada a Marte é tecnicamente viável, embora não vá ser fácil nem barata.

Resultados obtidos pelo jipe-robô Curiosity mostraram o nível de radiação a que seriam expostos os astronautas numa viagem que envolvesse 360 dias de trânsito interplanetário (ida e volta) e 500 dias em solo marciano.

Superfície de Marte

Superfície de Marte

O resultado seria uma dose de radiação de cerca de 1 sievert. Esse nível de exposição está associado a um aumento de 5% no risco de ter câncer ao longo da vida.

Para a Nasa, é um pouco demais, pois ela limita o risco máximo a 3%. Mas nada intolerável.

As missões não tripuladas já demonstraram que há bom conhecimento para realizar pousos bem-sucedidos em Marte. A Nasa investe em técnicas para descer cargas maiores –como as que serão exigidas em missões tripuladas– à superfície marciana.

Voltem pára a Terra Americanos

Voltem para a Terra Americanos

E o próximo jipe robótico, marcado para 2020, testará a fabricação de oxigênio a partir da atmosfera rica em dióxido de carbono.

São tecnologias fundamentais, que precisam ser desenvolvidas e testadas para a chegada do homem a Marte.

mapa Marte

mapa Marte

“Provavelmente tudo isso vai ser resolvido, mas no custo de bilhões de dólares”, afirma Lucas Fonseca, engenheiro brasileiro que trabalhou na missão Rosetta. Mais precisamente, US$ 35 bilhões, pelas contas da Nasa. E este sim é o principal gargalo.

Se a Nasa se mantiver focada pelas próximas décadas e o orçamento acompanhar as ambições, será possível ver os primeiros astronautas caminhando sobre Marte antes da metade do século 21. Mas ainda há muito chão –e espaço– pela frente.

Esta entrada foi publicada em Astronáutica, Astronomia, Atualidades. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta