Nível de oceanos subiu 30% mais do que se previa

Do início do século 20 até a década passada, o nível dos oceanos subiu em ritmo 30% maior do que se imaginava, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Harvard (Estados Unidos).

Nível de oceanos subiu 30% mais do que se previa

Nível de oceanos subiu 30% mais do que se previa

A pesquisa, publicada na quarta-feira, 14, na revista Nature, confirmou as estimativas anteriores de que o mar subiu 3 milímetros por ano nas últimas duas décadas. Mas, enquanto as avaliações mais antigas apontavam para uma elevação de até 1,8 milímetro anual entre 1900 e 1990, o novo estudo indica que o nível do mar subiu apenas 1,2 milímetro por ano naquele período. Segundo os autores, isso significa que a aceleração do aumento de nível dos oceanos tem sido muito maior do que se imaginava.

“O problema é maior do que pensávamos inicialmente”, disse um dos autores do estudo, Eric Morrow, do Departamento de Ciências Planetárias e da Terra de Harvard. Segundo ele, a conclusão é preocupante. “Isso significa que vários dos nossos modelos de previsão têm calibração inadequada. Assim, os novos dados nos farão questionar a precisão das projeções feitas para o fim do século 21.”

Para obter estimativas mais precisas sobre o nível global dos oceanos desde o início do século 20, os autores avaliaram o fenômeno de uma nova perspectiva. Em simulações com métodos estatísticos, levaram em consideração dados da era do gelo – cujos efeitos ainda afetam o mar -, padrões de circulação dos oceanos, efeitos do aumento da temperatura global e o derretimento irregular dos mantos de gelo no planeta.

De acordo com Carling Hay, coautora do estudo, também do EPS, as estimativas normalmente são criadas a partir da divisão dos oceanos em sub-regiões e da coleta de dados de marégrafos – instrumentos usados para medir as variações das marés – em cada área. A partir desses registros, os cientistas calculam médias de elevação do nível dos mares em cada região. Esses dados são então reunidos para se chegar a uma estimativa da média global. “Mas essas médias simples não são representativas do valor médio global.”

Esta entrada foi publicada em Biologia, Ecologia, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta