Ondas gravitacionais: como a medição do Universo pode avançar com as novas descobertas

Diante de uma grande descoberta científica, é sempre bom ter uma perspectiva histórica. É o caso, agora, com a extraordinária observação das ondas gravitacionais emitidas pelo choque de duas estrelas mortas (ou estrelas de nêutrons).

Ondas gravitacionais: como a medição do Universo pode avançar com as novas descobertas

Ondas gravitacionais: como a medição do Universo pode avançar com as novas descobertas

O choque ocorreu há 130 milhões de anos, quando dinossauros ainda habitavam a Terra, mas as ondas gravitacionais resultantes do processo só agora chegaram a nós.
E os cientistas anunciaram na segunda-feira terem conseguido, pela primeira vez, registrar essa colisão. “Vimos a história ocorrendo bem diante dos nossos olhos: duas estrelas de nêutrons se aproximando, se aproximando… virando cada vez mais rapidamente uma para outra, colidindo e espalhando resíduos por todos os lados”, disse à agência AFP o pesquisador Benoit Mours, do instituto francês CNRS.

Acredita-se que grande parte dos elementos pesados do Universo – como o ouro, a platina, o urânio e o mercúrio – seja resultante desse fenômeno.
Foi justamente esse estardalhaço que os cientistas testemunharam.
A grande questão é que o evento foi registrado primeiro pelas ondas gravitacionais resultantes – que são como perturbações na constituição do espaço-tempo geradas por eventos violentos – e, depois, pelas emissões de luz em muitos comprimentos de onda distintos (de raios-gama até ondas de rádio) ao longo de dias.
Essa combinação de observações nunca havia sido possível antes e oferece novos entendimentos sobre a atuação de estrelas de nêutrons.
“Essas estrelas são um laboratório de física extrema: é um material exótico, rico em nêutrons; e, quando são desmembradas, gera-se radiação exótica (…) que produz elementos como o ouro. É algo muito empolgante”, explica Martin Rees.

Nova era

Na avaliação dos cientistas, o registro de ondas gravitacionais abre uma nova era na astronomia.
Como as ondas permitem a medição de distâncias de astros, cálculos a partir delas podem ajudar a determinar a chamada “constante de Hubble”, teoria que descreve o ritmo de expansão do Universo.
A empolgação dos cientistas com a recente descoberta vem também do fato de terem conseguido, ao mesmo tempo, registrar as ondas gravitacionais e a luz que acompanha esses eventos astronômicos, algo que permitirá aos cientistas medir não só a distância desses astros, mas a velocidade com que se movem.
Ainda há bastante incerteza quanto a esses cálculos, mas há bastante confiança, no meio científico, de que à medida que mais ondas gravitacionais forem observadas, mais precisas sejam as conclusões tiradas a partir delas.
Especula-se que em mais ou menos uma década observações suficientes sejam registradas.

“(A descoberta) é como um presente de Natal”, disse à BBC o astrofísico vencedor do Prêmio Nobel Adam Riess. “Ondas gravitacionais estão nos dando tantos presentes. (…) É algo muito promissor, especialmente depois que o LIGO (observatório que participou das descobertas) tiver coletado algumas dezenas delas e começarmos a colher os dividendos.”

 

 

 

 

 

 

 

Esta entrada foi publicada em Astrofísica, Atualidades, Cosmologia, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta