Plutão está coberto por uma névoa de 130 quilómetros

A agência espacial norte-americana NASA divulgou, este sábado, novas imagens de Plutão captadas pela sonda “New Horizons” que revelam que o planeta-anão está coberto por uma névoa.

A agência espacial norte-americana NASA divulgou, este sábado, novas imagens de Plutão captadas pela sonda "New Horizons" que revelam que o planeta-anão está coberto por uma névoa.

A agência espacial norte-americana NASA divulgou, este sábado, novas imagens de Plutão captadas pela sonda “New Horizons” que revelam que o planeta-anão está coberto por uma névoa.

A agência espacial norte-americana NASA divulgou, este sábado, novas imagens de Plutão captadas pela sonda "New Horizons" que revelam que o planeta-anão está coberto por uma névoa.

A agência espacial norte-americana NASA divulgou, este sábado, novas imagens de Plutão captadas pela sonda “New Horizons” que revelam que o planeta-anão está coberto por uma névoa.

A sonda, que passou perto do desconhecido Plutão na semana passada, numa missão que arrancou há quase uma década, continua a enviar informação para a equipa da NASA.

“As nossas expetativas foram mais que superadas. Com gelo solto, uma substância exótica na sua superfície, cordilheiras e uma ampla névoa, Plutão está a mostrar uma diversidade verdadeiramente emocionante de geologia planetária”, disse em comunicado John Grunsfeld, um dos diretores adjuntos da NASA.

O “New Horizons” captou imagens que mostram uma névoa de 130 quilómetros por cima da superfície de Plutão, com duas capas bem diferenciadas, uma de 80 quilómetros e outra de cerca de 50 quilómetros.

“As névoas detetadas nesta imagem são um elemento chave da criação dos complexos compostos de hidrocarbonetos que dão à superfície de Plutão um tom avermelhado”, acrescentou Michael Summers, um investigador da sonda “New Horizons” na universidade de George Mason, em Fairfaz (Virginia), citado no comunicado.

Alan Stern, o principal investigador da “New Horizons” em Boulder, Colorado, Estados Unidos, descreveu o ambiente de Plutão como “uma atmosfera extraterrestre” de uma “incrível beleza”.

Até agora os cientistas estimavam que as temperaturas em Plutão fossem demasiado quentes para que se formassem neblinas a altitudes superiores a 30 quilómetros acima da superfície do planeta-anão.

Esta entrada foi publicada em Astronáutica, Astronomia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta