Primeiro nanossatélite construído no Brasil falha em sua missão no espaço

O Cubesat AESP-14, primeiro nanossatélite desenvolvido integralmente no Brasil e que foi lançado ao espaço em fevereiro, foi considerado inoperante depois de uma falha em um dos sistemas que acabou impedindo o funcionamento do equipamento.

Primeiro nanossatélite construído no Brasil falha em sua missão no espaço

Primeiro nanossatélite construído no Brasil falha em sua missão no espaço

De acordo com o G1, o anúncio foi feito em um comunicado pela Agência Espacial Brasileira, com base em um relatório elaborado pelo corpo técnico do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, ITA, que desenvolveu o equipamento juntamente com o Inpe, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, ambos localizados na cidade de Sâo José dos Campos, em São Paulo.
A causa da falha foi a não abertura da antena de transmissão de telemetria, que é a responsável pelo envio de dados do satélite para a Terra. Segundo o relatório, os técnicos do ITA afirmaram que a abertura deveria ter acontecido 30 minutos depois do lançamento da ISS. Diversas tentativas de funcionamento foram feitas até que a bateria do satélite então se esgotasse. Tudo isso aconteceu apenas 15 dias depois de o Cubesat entrar em órbita.
O Cubesat AESP-14 foi lançado no dia cinco de fevereiro, da ISS, Estação Espacial Internacional, com investimento de R$ 400 mil. O seu objetivo era fazer a capacitação de mão de obra para fabricar esses equipamentos no País, além da criação de um modelo que pudesse ser copiado em outras plataformas.
O Cubesat tinha as dimensões de um cubo, sendo 10 centímetros nas laterais e pesando 700 gramas. A sua vida útil era de cerca de três meses, período exato em que a comunidade radioamadora receberia uma sequência de 100 arquivos armazenados digitalmente.
Matéria completa: https://canaltech.com/noticia/ciencia/Nanossatelite-construido-no-Brasil-falha-em-sua-missao-no-espaco/#ixzz3Tc4FMESK

Esta entrada foi publicada em Astronáutica, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta