Professor diz ter resolvido problema matemático de 150 anos

Professor da Universidade Federal de Oye-Ekiti acredita ter resolvido um dos sete problemas matemáticos do milênio

O professor nigeriano Dr. Opeyemi Enoch, que leciona na Universidade Federal de Oye-Ekiti, acredita ter resolvido um enigma matemático que intriga estudiosos há mais de 150 anos.

O nigeriano afirmou ter encontrado a solução para a Hipótese de Riemann, proposta pela primeira vez pelo matemático alemão Bernhard Riemann em 1859. “O Dr. Enoch primeiro investigou e, em seguida, estabeleceu as reivindicações do matemático. Ele passou a considerar e a corrigir os equívocos que foram comunicados pelos matemáticos nas gerações passadas, abrindo caminho para suas soluções”, disse um comunicado da universidade. “Ele revelou como essas soluções são aplicáveis em criptografia, ciência da informação e em computadores quânticos”, prosseguiu a nota.

A Hipótese de Riemann foi desenvolvida apresentada pelo matemático alemão Bernhard Riemann em 1859

A Hipótese de Riemann foi desenvolvida apresentada pelo matemático alemão Bernhard Riemann em 1859

O educador já tinha trabalhado anteriormente em modelos matemáticos para a geração de eletricidade a partir de corpos de som, trovão e do oceano.

Segundo o engenheiro de software Robert Eldes, o complexo dilema de Riemann “é baseado em uma observação feita sobre a equação. Cada valor da equação que torna zero parece residir na mesma linha exata”.

Em 2000, o Clay Mathematics Institute (CMI) lançou um desafio: quem resolvesse um dos sete problemas do milênio ganharia um prêmio de US$ 1 milhão. Procurado pelo jornal, um representante do instituto disse que, por “uma questão de política, o CMI não comenta sobre possíveis soluções dos problemas do milênio”.

O instituto explicou o que é a Hipótese de Riemann. “O teorema de número primo determina a distribuição média dos números primos. A hipótese diz sobre os desvios da média e afirma que todos os zeros ‘não óbvios’ da função zeta são números complexos com parte real de ½”.

Esta entrada foi publicada em Atualidades, Matemática, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta