Novo planeta anão pode trazer pistas para encontrar Planeta Nove

Novo planeta anão pode trazer pistas para encontrar Planeta Nove

Astrônomos descobrem um dos astros mais distantes do sistema solar. Achado deve ajudar a encontrar o Planeta Nove

Cientistas descobriram um novo planeta anão que orbita o Sol a 13,6 bilhões de quilômetros de distância, duas vezes mais distante que Plutão. Encontrado no chamado Cinturão de Kuiper, uma região nos limites do sistema solar, o achado pode ajudar os cientistas a encontrar o Planeta Nove, o provável novo integrante planetário que jamais foi observado diretamente pelos astrônomos.

Concepção artística divulgada pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), mostra o provável novo planeta do Sistema Solar (R. Hurt/Caltech/IPAC/Reuters)


Temporariamente chamado ‘Planeta Nove’, ele ainda não foi observado diretamente. Novo planeta teria uma massa de cerca de 10 vezes a da Terra e levaria entre 10.000 e 20.000 anos para dar uma volta completa em torno do Sol.

Batizado de 2014 UZ224, e com cerca da metade da massa de Plutão, o novo corpo celeste foi reconhecido e descrito pelo Minor Planet Center (MPC) da União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês) na última terça-feira. Com isso, ele passa a fazer parte do conjunto de planetas anões encontrados pelos cientistas nos últimos anos, como Ceres, Makemake, Eris e o  recente 2015 RR245, descrito como um “mundo gelado”.

Busca

O novo planeta anão foi encontrado por uma equipe liderada pelo astrofísico David Gerdes, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, que desenvolveu uma câmera especial capaz de fazer o mapeamento de galáxias distantes. O grupo verificou imagens feitas pela câmera e percebeu um ponto distante se movendo ao redor do Sol – um novo planeta anão.

Como o corpo celeste está localizado no Cinturão de Kuiper, os astrônomos acreditam que ele possa fornecer mais pistas para a busca do Planeta Nove, que teria massa cerca de dez vezes a da Terra e estaria localizado entre 32 bilhões e 160 bilhões de quilômetros de distância de nosso planeta. Esse novo integrante do sistema solar jamais foi visto pelos astrônomos e a hipótese para sua existência foi feita com base em cálculos matemáticos que consideram as órbitas de corpos celestes no Cinturão de Kuiper, tão estranhas que só a influência de um grande astro, como um planeta, poderia explicá-las.

Segundo Gerder, é bastante possível que alguma das imagens feitas pela nova câmera possa ter captado o novo planeta – se ele existir. “Estou muito animado com as chances de encontrá-lo”, afirmou Gerder ao site americano da NPR.

Esta entrada foi publicada em Astrofísica, Astronomia, Atualidades, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta