Stephen Hawking dá um ultimato à humanidade: viver no espaço ou morrer aqui

“Temos de continuar a ir para o espaço em prol do futuro da humanidade,” disse o cosmólogo. “Acho que não vamos sobreviver a outros 1.000 anos sem escapar além do nosso frágil planeta.” 
Stephen Hawking dá um ultimato à humanidade: viver no espaço ou morrer aqui

Stephen Hawking dá um ultimato à humanidade: viver no espaço ou morrer aqui

Hawking emitiu o aviso durante uma das duas palestras na Sydney Opera House. Ele abordou as multidões com ingressos esgotados no local usando a tecnologia holográfica, que ele costumava falar de seu escritório de Cambridge.
No final da palestra, Hawking incentivou seu público para “Olhe para cima, para as estrelas e não para baixo, para os seus pés”. 
“Tente achar sentido no que você vê e se pergunte sobre o que faz o Universo existir”, disse ele. “Seja curioso, e, por mais difícil que a vida possa parecer, há sempre algo que você pode fazer e ser bem sucedido. O importante é não desistir.” 
Stephen Hawking tem repetidamente alertado para o perigo que a humanidade se encontra, como resultado o aumento da inteligência artificial e os perigos da barbárie e agressão humana.
 
Em fevereiro, ele disse que os humanos deveriam colonizar outros planetas como “seguro de vida” para a espécie e poderia ser a única maneira de assegurar que a sobrevivência da humanidade.
Algumas pessoas do público ainda encontraram tempo para perguntar ao professor sobre o “efeito cosmológico da saída do Zayn da banda One Direction e, consequentemente, quebrou os corações de milhões de adolescentes em todo o mundo“. Hawking acalmou as fãs, dizendo-lhes que, em um universo paralelo, Zayn foi um membro da banda — e que em outro, ele era casado com a mulher. 
Os seres humanos deverão viver no espaço dentro de 1.000 anos, ou irão morrer aqui, alertou Stephen Hawking.

Os seres humanos deverão viver no espaço dentro de 1.000 anos, ou irão morrer aqui, alertou Stephen Hawking.

No final da conversa, Hawking referencia a Star Trek dizendo “Teletransporte-me, Scootie!” Depois disso, sua imagem criada digitalmente — feita com duas câmeras que o filmaram, logo depois processaram o vídeo e exibiram na tecnologia especial na casa da ópera — e então desapareceu. 
 
Esta entrada foi publicada em Astrobiologia, Astrofísica, Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta